sexta-feira, 11 de maio de 2012

Páscoa Cristã




Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu filho unigênito, para que todo aquele que nEle crer, não pereça, mas tenha vida eterna" (Jo. 3:16).

 

 

A mensagem da Cruz

Em Romanos (5:8), diz que “Deus prova o seu próprio amor para conosco, pelo fato de ter  Cristo morrido por nós sendo nós ainda pecadores”. Veio para tirar o julgo do pecado de sobre nós. Carregou o nosso fardo, venceu a morte e nos convida a cear com ele e celebrar uma nova vida, repleta de felicidade. A mensagem da Cruz é para a humanidade um forte apelo de salvação, de arrependimento e redenção.


Reflexão sobre o tema
O comércio tenta vender a imagem de que Páscoa é sinônimo de ovos de chocolate e coelhinhos. Assim como no natal, há a nítida intenção de comercializar produtos. Não se faz alusão ao verdadeiro significado da comemoração em si. É como se houvesse uma festa onde o verdadeiro homenageado ficasse de fora. Trata-se claramente de uma estratégia do inimigo de tirar de cena a pessoa de Jesus, de distrair a mente das pessoas com atrativos agradáveis, tirando-lhes a oportunidade de conhecer o nosso Salvador. Jesus transita em nosso meio e tudo observa, tudo vê e tudo sabe. Sabe exatamente onde está um adorador e um consumidor.  Amados, como cristãos, nada impede que comamos chocolate, mesmo em forma de ovo. Mas não devemos nos distrair com essas coisas a ponto de esquecermos o verdadeiro significado da Páscoa. Esses conceitos todos devem ser repassados a essa nova geração para que no futuro Jesus não seja confundido com um coelhinho.

IMAGENS DA AULA







Obrigado Senhor!

PLANO DE AULA

Data: 07/04/2012
Tema: Páscoa Cristã
Texto Base: Mateus, 26 a 28; Marcos 14 a 16  e Lucas 22 a 24 e João 18 a 20

Versículo para memorizar: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu filho unigênito, para que todo aquele que nEle crer, não pereça, mas tenha vida eterna(Jo. 3:16).

Objetivos

Que as crianças possam: compreender o verdadeiro sentido da Páscoa; Entender que o coelhinho e o ovo são tradições de uma cultura pagã que nada tem a ver com o pensamento cristão.

Introdução

A Páscoa Cristã, é um momento de reflexão sobre o Plano de  Deus para com a humanidade. Toda a trajetória do Antigo Testamento representa o caminho que precisava ser construído para a manifestação do grande amor de Deus se consolidou na Cruz do Calvário. Essa aula pretende desmistificar a visão que o mundo tenta enxertar em nossas mentes, sobretudo, das crianças, tirando o verdadeiro mérito de  Jesus e  introduzindo práticas pagãs no contexto de nossas vidas  que nada tem a ver com o verdadeiro sentido da Páscoa cristã.

Procedimentos

Iniciar a aula com  louvor e em seguida com vídeo infantil que trata sobre o assunto. Em seguida, com a Bíblia e o roteiro de estudo, refletir sobre o contexto em que se deu a paixão de Cristo. Durante o estudo, alguns aspectos serão analisados com mais detalhes:

a)       O Sacrifício do cordeiro no Antigo Testamento
b)       O termo hebraico Passah
c)       Jesus como Cordeiro de Deus
d)       Ceia – Páscoa Cristã
e)       O grande amor de Deus e o seu Plano de Salvação
f)        Orientações aos discípulos
g)       Morte e ressurreição de Cristo (prisão, solidão, abandono e sacrifício)
h)       Mensagem da Cruz

O Sacrifício do Cordeiro no Antigo Testamento

No período em que o povo hebreu estava cativo no Egito e o Faraó se recusou a libertá-los, Deus mandou as sete pragas que assolou toda a nação. Em Êxodo 12:3-7, Deus orienta cada família dentre os  hebreus a derramar o sangue de um cordeiro e   aspergi-lo sobre os umbrais de suas casas para que o anjo destruidor, não as tocasse e suas vidas fossem poupadas. E assim sucedeu. O sacrifício ou holocausto praticado no A.T tem relação com o que sucederia no porvir, com Jesus Cristo na cruz do calvário. Era uma preparação. (Rm. 8:3 e Hb.10).

O termo hebraico Pessah

A palavra páscoa vem do hebraico pessah, traduzido como salto, travessia ou caminhada. Refere-se a saída do povo hebreu do cativeiro rumo à terra prometida (Canaã), em direção à liberdade. Esse momento é grandioso. Deus manifesta grandemente o cuidado que tem para com a humanidade nas mínimas coisas. Ele não só libertou esse povo, mas supriu todas as suas necessidades durante a travessia. O deserto inóspito traduzia-se na possibilidade de retirar daquele povo, todo tipo de distrações para que eles pudessem absorver o aprendizado que seria necessário na preparação do que mais tarde seria conhecido como Plano de Salvação para a humanidade. Era necessário tirar daquele povo que convivera com o mundo pagã, velhas crenças que poderiam comprometer a grande Obra do Senhor e levá-los a crer novamente no Deus único de seus antepassados. Esse período de travessia ficou conhecido como Diáspora, que representava o salto para a liberdade, a grande travessia. A páscoa no AT, celebrava justamente esse episódio. Havia uma tradição de repetir  o sacrifício do cordeiro, que não podia apresentar nenhuma imperfeição (alusão ao Cordeiro de Deus, puro, sem pecado, examinado pelo Sinédrio).

Jesus como Cordeiro de Deus

A Páscoa Cristã representa redenção, ressurreição (vitória da vida sobre a morte). Em Isaías 53:10 há referências desse sacrifício, considerado pelo profeta  como “expiação dos pecados”. Também consta no Antigo Testamento inúmeras profecias que anunciavam a vinda daquele que seria como “cordeiro levado ao matadouro” (Jeremias 11:19; Isaías 53:7) e cujo sofrimento e sacrifício providenciariam a redenção para Israel.” João Batista se refere a Jesus como “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo.1:29 e 36). Sabemos, conforme a Palavra nos afirma, em Romanos 6:23 que o salário do pecado é a morte e também sabemos que é  o pecado que nos separa de Deus e que, portanto, somente por meio de Jesus podemos nos redimir e nos reconciliarmos com Deus. Ele carregou sobre si a nossa  culpa. Nossos pecados foram pagos não por ouro e nem por prata, mas pelo sangue precioso de Jesus (1 Pedro 1:18-21).  Por isso tudo é que Paulo nos ensina que Ele é a nossa Páscoa (1Cor. 5:7).

Ceia – Páscoa Cristã

Tanto a Páscoa judaica como a Páscoa Cristã apontam para o sacrifício de Jesus. Num primeiro momento, há a intenção de preparar para o ato que seria mais tarde consumado na Cruz do Calvário. Jesus, grande pedagogo (aquele que conduz pelas mãos), sabia como ninguém a arte de ensinar. Com os elementos da Ceia Ele exemplifica  o Seu sacrifício para a redenção dos nossos pecados. Com esse gesto, Jesus dá um novo significado a Páscoa (Lc. 22:19-21. 1 Cor. 5:7). Com a Ceia do Senhor, aprendemos a ter esperança, a compreendermos o alto preço que foi pago pela nossa liberdade. Jesus , em tudo o que fazia nos instruía como agir como proceder, e não foi diferente nesse caso. Em Lucas (22:19) há uma ordenança: “Fazei isso em memória de mim” . Em 1 Coríntios (11:26) diz: “Porque todas as vezes que comerdes este cálice, anunciais a morte do Senhor, até que Ele venha”. Trata-se de manter viva em nossa memória uma demonstração do supremo amor do Pai para conosco e nos mantermos em comunhão constante com Ele e com nossos irmãos, sabendo que todos somos parte de um mesmo corpo.

O grande amor de Deus e o Seu Plano de Salvação

O grande amor de Deus se resume em João (3:16)  “porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crer não pereça”. Jesus veio ao mundo para cumprir os Planos de Deus para com a humanidade que estava perdida. Pela sua morte somos resgatados, temos a chance de uma nova vida, somos libertos do cativeiro. Pelo seu sangue derramado somos atraídos para Ele. Somos constrangidos por este tão grande amor a nos santificar para estarmos em Sua tão doce presença. A compreensão desse Plano de Deus nos impulsiona para o alto, nos leva para mais perto de Deus.

 
Orientações aos discípulos

Durante a Ceia, o Senhor instrui sobre como manter a comunhão com Ele e com os irmãos. Também instrui sobre na urgência de se apregoar o Evangelho a todos os que não o conhecem. Afirma que não os deixaria sós, que Deus enviaria o Espírito Santo, e que este os instruiria sobre todas as coisas e que em nome dEle, Jesus, obras maiores fariam.

Morte e Ressurreição

Durante a Ceia, Jesus previu toda a situação do martírio que aconteceria e que já era previsto no Antigo Testamento, para que se cumprisse o Plano de Deus. Disse ainda, que ao terceiro dia ressuscitaria (Lc. 18:31-33) para a glória de Deus. Sabia de todas as coisas, mas como homem, experimentou a dor, o abandono, a traição e a solidão. Em pouco espaço de tempo pode ver dois extremos do povo. Em um momento experimentou na entrada em Jerusalém, a exaltação e o louvor. Em outro momento, dias após, experimentou o esquecimento do povo, o abandono de seus amigos, a humilhação e a dor. Foi vendido por trinta moedas de ouro e ainda, foi trocado pela vida de Barrabás que era o extremo oposto de sua trajetória de amor.

A mensagem da Cruz
   
Em Romanos (5:8), diz que “Deus prova o seu próprio amor para conosco, pelo fato de ter  Cristo morrido por nós sendo nós ainda pecadores”. Veio para tirar o julgo do pecado de sobre nós. Carregou o nosso fardo, venceu a morte e nos convida a cear com ele e celebrar uma nova vida, repleta de felicidade. A mensagem da Cruz é para a humanidade um forte apelo de salvação, de arrependimento e redenção.



Veja aqui alguns dos Estudos disponíveis no Arquivo do blog:
  1. Samuel - Resposta ao chamado de Deus
  2. Juizes - Período Teocrático 
  3. Sansão - Exemplo de Imaturidade 
  4. Gideão - Um Homem Revestido de Poder 
  5. Abimeleque - Ambição Sem Limites 
  6. José do Egito 
  7. Josué e Calebe - Enfrentando o Gigante do Medo 
  8. Josué - A Derrota de Ai 
  9. Palavra de Deus - Uma Mensagem Transformadora 
  10. Evangelizar é Preciso! 
  11. A Vontade Soberana de Deus 
  12. O Espírito Santo a Terceira Pessoa da Trindade 
  13. Páscoa Cristã 
  14. Dons Espirituais 
  15. Missões com Excelência - A boa semente

Um comentário:

  1. obrigado pelo suporte da aula que irei amanhã passar para as crianças , o verdadeiro significado da páscoa...valeu amei tudo...


    ResponderExcluir